Estação derradeira

As opiniões são como os narizes, toda a gente tem um. E alguns cheiram melhor que os outros? Isso também. Seja como for, o momento presta-se a opiniões fortes sobre as coisas. Não basta ter opiniões. É preciso que sejam fortes. E depois há o epítome do indivíduo opinativo que é a pessoa frontal. Alguém que não só tem opiniões fortes – ou fortes opiniões se for um tipo intelectual – como também está convencido que somos todos obrigados a satisfazer a sua auto-indulgência. Resumindo: a aturá-los.

Pessoas fortemente opinativas têm habitualmente gostos de enorme exigência. A sofisticação requer que tudo seja separado em duas categorias: a excelência e a inanidade. Tipo, Lars von Trier: excelente. Exterminador Implacável: inanidade. Sinceramente, prefiro aturar pessoas efectivamente estúpidas. Estúpidos ignorantes. Em vez de estúpidos cheios de literacia. Sabem, como aquele tipo que escreveu no IMDB que os primeiros trinta minutos do 2001 Odisseia no Espaço era só macacos.

Voltando ao princípio, como eu dizia, o momento é propício ao exercício da opinião. Nos blogues isso não é novidade. Se os chico-espertos voassem a blogosfera era um aeroporto. Mas a doença alastrou-se rapidamente ao meio jornalístico e à política. Um dos sintomas é o modo como tudo é óbvio. Não sei se já repararam? Mas nos discursos, nos comentários, as coisas são sempre obviamente. Tipo: já todos sabíamos que; eu já tinha avisado; nem podia ser de outra forma. Há mesmo uma espécie de campeonato para ver quem é o vencedor do prémio de quem já tinha dito mais vezes há mais tempo que ia ser mesmo assim.

É curioso porque viver em Portugal nos últimos, vá lá, oito anos, foi como circular a bordo de um comboio desgovernado em direcção ao fim da linha. Por lá vagueavam meia dúzia de malucos a avisar que ia haver um grande acidente, mas estava o resto do pessoal todo no vagão-restaurante a beber cocktails e a fazer tchim-tchim. Lá estão outra vez estes chatos, pá. Que desagradável, ao longe, esta voz de Cassandra

Profecia, ou ironia do destino, bem nos avisaram os Gregos da antiguidade. Cassandra, condenada a que ninguém acreditasse na sua palavra, tinha, afinal, razão. Agora eis-nos descarrilados para lá da estação derradeira, rodeados em escombros, e todos esbracejam e fazem ouvir a sua voz. Como foi isto possível?

Opiniões fortes?

3 comentários:

  1. Desde que o "comentador profissional" - especialista no tudo em concreto e nada em geral - foi adoptado pelos "noticiários" dos nossos canais televisivos, os últimos trinta minutos desse tipo de programa passaram a ser só macacos. Mas a única coisa que precede esse grande momento de entretenimento é a montagem do carrossel, animado por figuras que, em vez de monolíticas, são verdadeiros troncos ou paus mandados. Atirá-los todos ao ar até ficarem fora de órbita requer força. Requer pelo menos a força de carregar no botãozinho de OFF.

    ResponderEliminar
  2. Não sei se é impressão minha mas desconfio que os optimistas morreram todos no descarrilamento.

    ResponderEliminar
  3. Venho deste modo apresentar-lhe o meu novo projecto. Trata-se de um novo blog que pretende fazer uma análise clara e concisa sobre a actualidade nacional e internacional.
    Este projecto surgiu no seguimento do término da minha licenciatura na Faculdade de Economia do Porto (FEP). Sempre me interessei bastante pelas questões macroeconómicas, mas entendi que só após a minha licenciatura estaria preparado para abordar estas questões com o rigor que se lhe exige. Gosto de fazer análises credíveis e baseadas sempre em estatísticas credíveis, como irá reparar ao visitar o blog.

    PS: o link do blog é http://ecoseconomia.blogspot.pt/
    Aguardo novidades, esperando o seu contributo para este projecto
    Com os melhores cumprimentos,
    Ricardo Gonçalves

    ResponderEliminar