home | rssgoogle+ | facebook | twitter | pinterest



Urban Development. Image credits: Thomas Dahlberg.

A partir da década de setenta do século passado o país conheceu um período de extraordinário crescimento do sector da construção que se traduziu na criação de mais de 800 mil fogos por década. Várias causas contribuíram para este fenómeno, tanto pela acção de agentes públicos como privados.

À escassez de oferta que resultou do período do Estado Novo seguiram-se políticas de apoio à edificação, directas e indirectas, pela promoção de habitação de custos controlados ou pela implementação de regimes de bonificação de acesso ao crédito.

Por outro lado, alterações estruturais do sistema bancário conduziram ao aumento do crédito disponível e ao abaixamento progressivo das taxas de juro, processo acentuado pela convergência das moedas nacionais no quadro da adesão ao Euro.



Imagem: Vítor Reis (IHRU), A reabilitação urbana e as mudanças que estão a ocorrer em Portugal (apresentação).

O efeito destes vários factores centrou-se essencialmente no mercado da venda, associado à obra nova. Não só o sector da reabilitação se manteve cronicamente abaixo da média europeia como os cidadãos foram incentivados à aquisição de imóvel, com a massificação do acesso ao crédito em regimes cada vez mais agressivos mesmo para famílias de menores rendimentos.

Este foi assim um ciclo em que o sector da construção repercutiu um peso excepcionalmente elevado para o produto interno, com o correspondente efeito redistributivo sobre indústrias produtivas que lhe são próximas e ainda sobre o emprego.



Imagem: Vítor Cóias (GECoRPA), Qualificação para a reabilitação (apresentação).

Ao contrário do que se possa pensar, a decadência da construção em Portugal começa a manifestar-se bem antes da denominada crise financeira de 2008. O número de fogos licenciados e concluídos em construções novas para habitação familiar começa a observar uma descida progressiva a partir de 2001. Esse fenómeno repercute também a perda de expressão do sector sobre o PIB, dado que se mantém até aos dias de hoje.

Sinal de que a banca portuguesa interiorizava já este processo era perceptível na implementação gradual de mecanismos versáteis de crédito: aumento de prazos de empréstimo no crédito-habitação, prorrogação parcial do crédito para o fim do empréstimo e produtos de crédito intercalar para troca de casa (permitindo adquirir casa nova e vender a antiga até o prazo máximo de três anos). Foram medidas que procuraram criar condições de sustentação do mercado num momento já frágil da nossa economia.


Imagem: Associação Lisbonense de Proprietários, Retrato da Habitação em Portugal, Características e Recomendações.

Pese embora todas estas medidas, a crise de 2008 veio estilhaçar a política bancária que serviu de motor a este ciclo extraordinário da construção civil em Portugal. Esta crise, que deflagrou nos Estados Unidos, teve subjacente a percepção de que o valor dos activos imobiliários que serviam de segurança ao crédito emitido pelas instituições bancárias – sobre a forma de hipoteca – se encontrava largamente sobrevalorizado.
A consciência dos elevados riscos associados, directa e indirectamente sobre um conjunto de derivados financeiros (e o pânico que se seguiu) traduziu-se na contracção do crédito para a habitação. Consequentemente o mercado viu-se incapaz de escoar a construção em curso, com a agravante de uma inundação secundária de mercado por produto resultante dos casos de incumprimento de pagamento de dívida por proprietários em dificuldades e, num segundo momento, pela própria banca.

Assistimos assim a um fenómeno internacional que tem subjacente uma desvalorização generalizada do parque imobiliário. Algumas vozes apontaram a necessidade de proceder a uma reavaliação dos activos que servem de segurança aos bancos, de modo a assegurar uma compreensão real do grau de solvabilidade do sistema bancário. Essas vozes, no entanto, cedo se calaram, certamente reflectindo a compreensão de que um tal processo tornaria claro o risco subjacente à nuvem de crédito criada em torno deste sector.

Explícita ou oculta, essa realidade não deixará de ser bem conhecida pelo sistema bancário. Para um país sufocado por uma violenta contracção do crédito disponível como o nosso esta circunstância é inescapável. O mercado da obra nova dificilmente conhecerá uma retoma próxima dos níveis de produção que viveu no passado. A crise da construção é estrutural.

Conscientes desta realidade, torna-se claro que o caminho a seguir deve orientar-se para o domínio da reabilitação onde, mesmo nestes anos de crise, se tem vindo a assistir a um crescimento consolidado. Esta via é no entanto dificultada por um conjunto de factores que importa confrontar.

O prédio jurídico vigente foi produzido no ciclo desta bolha imobiliária. O quadro legal foi estabelecido para o paradigma da obra nova. Pior, em muitos casos, as suas normas e regulamentos reflectem exigências que perderam de vista os parâmetros mínimos racionalmente exigíveis para passarem a impor critérios técnicos de duvidosa racionalidade. Os custos deste desajustamento, entre as normas, a boa arte e a própria capacidade económica do país, são inaceitáveis. Por outro lado, também a fileira de agentes intermédios, instituições certificadoras e custos impostos pelo Estado continuam a operar nos mesmos termos do passado.

Todos estes factores são inimigos da recuperação do sector da construção e particularmente pesados sobre esse domínio ainda mais frágil que é a reabilitação do parque antigo. Se o regime excepcional entretanto criado ao abrigo do Decreto-Lei n.º 53/2014 constitui uma forma de ganhar tempo, ainda que de âmbito parcial, importa levar a cabo uma profunda reforma do quadro normativo da edificação que tenha por base esta alteração do paradigma da construção.

Este processo moroso e difícil tem de ser conduzido de forma pública, aberta e participada, convocando o melhor dos saberes nas áreas do urbanismo, arquitecturas, engenharias e demais áreas envolvidas. É um processo para o qual todos os agentes têm de contribuir de forma colaborativa, sem que cada um se procure sobrepor aos outros – algo que parece distante da cultura institucional que vigorou no passado, traduzida na acção do Estado contra agentes privados e, tantas vezes, do Estado contra o próprio Estado.

A tarefa é enorme e convoca a todos. Certo é que, nesta como em outras áreas, o país não pode pagar o preço de nada fazer.




Auto-retrato da nave Rosetta tirado a menos de dez milhas do cometa 67P/C-G. A 12 de Novembro o veículo auxiliar Philae irá separar-se da nave-mãe para deslocar-se até à sua superfície gelada. Via io9.


Vale a pena ouvir a entrevista do Eng. José Manuel Saldanha na SIC Notícias sobre as cheias que ocorrem em Lisboa quando coincidem períodos de grande precipitação com preia-mar de águas vivas. Parece certo que a solução passará sempre pela conjugação de diferentes medidas: a montante, como a criação de dispositivos de filtração passiva e bacias de retenção, e a jusante, com sistemas que evitem a obstrução da saída das redes e eventual recurso a bombagem dos grandes caudais nas alturas de maior descarga.

A implementação de um plano de drenagem será assim um encontro de medidas de menor e maior escala, todas elas difíceis por se tratar de um ambiente construído fortemente consolidado, mas que não podem deixar de ser assumidas. Reabilitação urbana é um conceito que deve ir muito para lá das acções cosméticas, com muito lajedo e marmoredo, que por vezes se fazem passar por urbanismo. Entregar um território tão sensível ao medo e à inquietação, sempre que a chuva cai, é convidar a população a abandonar aquela cidade. Para lá disso, nada fazer será ficar à espera de um episódio extremo que venha produzir estragos irremediáveis e, quem sabe, colher vidas. Ainda estamos a tempo de o evitar.



Tideland (Partially Rainy). Image credits: Thomas Dahlberg.

Há qualquer coisa de estranho nesta dicotomia que se abate nos meios de comunicação quando se discute o fenómeno das cheias em Lisboa. Temos, por um lado, a explicação das causas na conjugação de níveis muito elevados de precipitação com o período de subida das marés. E temos, no lado oposto, aqueles que questionam a estrutura urbana com excessiva impermeabilização do solo e a ausência de medidas de retenção de águas de escorrência superficial.

A razão está dos dois lados. Mas entre o derrotismo de encolher os ombros perante as “causas naturais” e o desígnio de pôr a cidade toda em causa, por muito fundamentado que seja, haverá certamente um meio-termo. Não se podendo deitar Lisboa abaixo e fazê-la de novo para dar origem a um tecido urbano altamente eficaz no domínio do stormwater management e na implementação de sistemas passivos de filtração e drenagem (o que, apesar das dificuldades, também devia ser estudado), talvez fosse possível adoptar um pouco de incrementalismo.

Apesar das condicionantes que Lisboa nos coloca existem medidas que poderiam ser consideradas para reduzir os efeitos da maré alta no bloqueio, parcial ou total, dos colectores da zona baixa da cidade. Seria possível planear um sistema integrado de unidades de bombagem e descarga que evitasse o bloqueio das redes e permitisse assegurar uma capacidade de escoamento mais elevada nas alturas críticas, como as que se fizeram sentir neste e noutros anos?

Uma tal infraestrutura terá certamente custos elevados, não só pela dimensão como pelas contrariedades que se colocam nas intervenções junto à margem ribeirinha. E não deixará de ter impactos pontuais na frente de rio. Mas será preferível ficarmos à mercê dos elementos, com os prejuízos repetidos para os cidadãos, enquanto vamos dissertando sobre as disfunções urbanas da capital? É que perante esse facto consumado chamado “cidade de Lisboa” talvez fosse a hora de deixarmos de ouvir os políticos e os filósofos da urbanidade, para dar a vez a esses agentes menores do fazer urbano chamados "os técnicos" e trazer para a discussão a Engenharia, com “E” grande.

Adenda: Especialista explica o porquê de Lisboa ter as chamadas cheias rápidas, via SIC Notícias.





Dois filmes para revisitar o talento de James Gandolfini. Podemos vê-lo em Enough Said, um dos seus últimos trabalhos, contracenando com Julia Louis-Dreyfus. A história de uma mulher e de um homem que se conhecem numa fase desencantada das suas vidas, num tempo em que não persistem muitas ilusões sobre o amor. É um filme que se balança no limiar da comédia-dramática, esse território por vezes difícil de definir, tão anti-romântico quanto genuíno, questionando as formas como construímos a nossa visão dos outros e o que nos faz, afinal, procurar alguém.
Um pouco mais antigo mas absolutamente imperdível é Welcome to the Rileys, uma produção independente que nos revela Gandolfini na sua melhor forma. Um grande exemplo de underacting em contraste com o histrionismo de Kristen Stewart, numa prestação também surpreendente. Por aquele confronto de gerações se vai erguer uma cumplicidade improvável, tecido de fundo para uma bela história sobre o que nos liga uns aos outros e até onde estamos dispostos a ir para salvar alguém. Duas oportunidades para redescobrir um grande actor.




Deram as mãos no momento de dizer adeus, olharam-se nos olhos e, por um breve instante, passou entre eles o sopro de tudo aquilo que poderia ter sido…

Begin Again, de John Carney, com Keira Knightley e Mark Ruffalo. Num género saturado de lugares-comuns, eis um filme que nos fala de cumplicidade e paixão pela música. De antologia a sequência em que ele a vê pela primeira vez, tocando e cantando a solo no palco de um bar, e compõe, na sua cabeça, toda uma orquestração em torno da sua voz. Simplesmente mágico.




Arte urbana de Banksy pintada na parede lateral de um edifício situado no distrito financeiro de Canary Wharf, em Londres, em Dezembro de 2011. Via Afroblush.



Image credits: Michael Kerbow.

«Os bancos são, por excelência, os símbolos do capitalismo. A sua invenção foi um verdadeiro Ovo de Colombo: as pessoas depositam as suas economias numa instituição que põe esse dinheiro a circular e à custa disso obtém lucros, podendo pagar um juro ao depositante.»

Assim se descrevia num editorial publicado num jornal semanal português o modelo de funcionamento da banca. Pouco importa, para efeitos de reflexão, personalizar aquele ponto de vista; ele sintetiza, na sua ingenuidade, o entendimento que a maioria dos cidadãos tem sobre o que os bancos são e aquilo que fazem.

Este entendimento devia motivar-nos uma interrogação simples: se não conhecemos o mundo em que vivemos como poderemos extrair as conclusões certas sobre aquilo que nos rodeia? Se o diagnóstico está errado como poderemos alguma vez reconhecer a doença?

Não deixa de surpreender que aquela visão cândida, talvez aplicável aos idos de mil oitocentos, corresponda ainda hoje à convicção generalizadamente aceite pelos cidadãos sobre o que é o sistema bancário. Num mundo onde a informação se tornou tão rápida e acessível muitos desconhecem que mais de 90% do dinheiro existente nas economias desenvolvidas foi criado através da emissão de crédito por parte de instituições financeiras privadas. Desconhecem, afinal, que com mais ou menos regulação central, os bancos criam dinheiro do nada, electronicamente, sobre a forma de crédito, em valor muitas vezes superior às suas obrigações de solvabilidade, sejam depósitos ou outros activos reais.

A maior parte dos cidadãos desconhece afinal o que é o dinheiro. Ignora como ele se cria e se introduz na economia. Ignora que a emissão de crédito corresponde à criação de dinheiro novo (e não ao “empréstimo” de dinheiro já existente) e que o crédito aumentou geometricamente nas últimas quatro décadas em resultado da sucessiva desregulamentação do sistema bancário, naquela que constituiu uma trágica concessão de soberania financeira das nações. E, no entanto, é com base nessas pré-concepções erradas que as pessoas, todos os dias, formulam opinião e tomam partido sobre assuntos tão diversos como o resgate de uma instituição financeira privada ou a reestruturação da dívida pública.


O exemplo inglês; imagem via Positive Money.

A constatação desta realidade não traduz uma interpretação ideologicamente orientada, de esquerda ou de direita, sobre a realidade. Trata-se, tão só, de reconhecer os mecanismos financeiros em que assenta a sociedade em que vivemos, a partir dos quais não poderemos deixar de nos interrogar sobre o alcance e os impactos que tais mecanismos tiveram nas mais variadas áreas da nossa vida. Interrogar, por exemplo, o que significa saber que cerca de um terço desse volume de endividamento está associado a crédito concedido no sector da construção. Que implicações urbanas e arquitectónicas serão resultado da tradução de instrumentos financeiros dirigidos à aquisição de imobiliário? De que forma transformou isto as nossas expectativas de vida relativas a tipologias de habitação, a comodidades, a concepções culturais e, por fim, as nossas próprias cidades?

Importa não esquecer que para muitos de nós este é o único mundo que alguma vez conhecemos. Uma parte importante da nossa cultura, do nosso saber, do nosso modo de vida, nasceu daquilo que parece estar a revelar-se um trágico processo de boom and bust; um sistema estruturalmente distorcido que favoreceu um agente específico da economia e que continua a gerar uma desigualdade sem paralelo na história das democracias.

À medida que vamos sendo confrontados com as limitações deste modelo de crescimento e os sinais de uma profunda e terrivelmente incerta transformação parecem configurar-se no horizonte, talvez devêssemos reconsiderar toda a fundação de noções, ideias e convicções que sustentaram a nossa visão do passado. Esta não deixará de ser, afinal, uma das grandes questões políticas do nosso tempo.

Ficam algumas ligações úteis para aqueles que queiram aprofundar o seu conhecimento sobre este tema: o documentário Four Horsemen (via Renegade Economist); o vídeo In Conversation With Ann Pettifor (mais aqui); o documentário 97% Owned, com a colaboração de Ben Dyson, promotor da campanha inglesa Positive Money; o vídeo Wealth Inequality in America.



Image credits: Matias Santa Maria.

Daqui a uma década teremos uma geração, agora na casa dos vinte anos de idade, a meio dos trinta e rapidamente a caminho dos quarenta, confrontando-se com o facto de que a vida lhe passou ao lado. Muitos destes portugueses nunca terão conhecido um emprego estável, transitando entre estágios pouco relevantes e contratos precários, remunerações baixas e uma perspectiva de futuro esvaída de qualquer previsibilidade.

Que cultura social será produto desta realidade? De que forma encarará esta geração conceitos como paternidade ou solidariedade inter-geracional? E em que ideologias e actores políticos se irá rever esta nova geração de portugueses? Como se transformará então o sistema político?

Este não é um problema do médio ou do longo prazo. Este possível futuro resultará de factores que estão já em efeito no nosso presente. Fragilização das regras laborais. Redução do rendimento do trabalho. Desemprego. Emigração. Baixa natalidade. Perante este quadro, esta conjugação perigosa de variáveis, dificilmente podemos ignorar que estamos perante um dos principais problemas que a nossa democracia alguma vez enfrentou.

No entanto o debate corrente sobre a situação portuguesa é trazido quase todos os dias para uma discussão pedestre, do curto prazo. Desprezando uma observação ampla dos problemas somos entretidos com o desfile selectivo de índices parcelares, variações homólogas, dados que permitem extrair todas as conclusões possíveis.

Pior ainda quando as teses de políticos e comentadores são apresentadas com formato aparentemente científico, como se de verdades indiscutíveis se tratassem. Disso exemplo é o discurso da inevitabilidade promovido por governantes e sustentado por alguns especialistas da área do jornalismo económico. Uma verdade é tão mais científica quanto mais vasto for o conjunto das variáveis consideradas. Quando essa verdade se formula a partir da observação selectiva de meia dúzia de variáveis mais não é do que uma refinada mentira, por mais académico-científica que seja a sua formulação retórica; sendo certo que a melhor mentira é aquela que contém o máximo de verdade possível nos argumentos que a sustentam.

Circunstância contraditória ao ouvirmos abordar temas de médio e longo prazo, como o debate recente sobre natalidade, como logo se levantam ideias políticas diametralmente opostas daquelas que nos têm sido impostas nos últimos anos como sendo inevitáveis. Em boa verdade o discurso da inevitabilidade não parece ter já outro alcance que não o desejo de manter a opinião pública num patamar pedestre de pensamento, junto ao chão, sem vislumbre do horizonte. Não se trata de ignorar a importância de questões tão sérias como o rigor na gestão das contas públicas e na aplicação dos dinheiros do Estado. Trata-se apenas de reconhecer que, perante a gravidade histórica que nos apresenta a prospectiva do futuro próximo, saber se vamos cumprir a meta do défice deste ano é o menor dos nossos problemas.





Obrigado e bom dia.




Four Horsemen, um documentário sobre a distorção do sistema financeiro contemporâneo e as suas ramificações sociais e políticas à escala global. Tão perturbador quanto obrigatório. Legendas disponíveis em português. Via Renegade Economist.




A famosa cópia da Mona Lisa que existe no Museu do Prado, que se pensa ter sido desenhada por um dos pupilos do próprio Leonardo da Vinci, foi restaurada há cerca de dois anos. Análises efectuadas nessa altura por radiografia e infra-vermelhos permitiram concluir que a obra havia sido repintada em data posterior a 1750. Foi possível revelar que, oculto sob o fundo pintado de preto, se conservava ainda a paisagem envolvente inicial em bom estado. Apesar de persistirem receios em relação a limpar a frágil Mona Lisa original, o restauro da cópia do Prado permite conhecer a natureza vibrante da luz e das cores da obra-prima de da Vinci e imaginar quantos detalhes poderão estar escondidos debaixo da sua superfície enegrecida pelo tempo.



Is the Facebook trending algorithm ruling your social web experience?

Blogs are dead, Facebook is dying, and the machines are taking over. That seemed to be a popular theory just a few months ago. Now, maybe these ill-fated feelings resonate with the idea strongly rooted in western culture that if something isn’t growing, it’s necessarily dying. But it does raise interesting points for debate.

As Jason Kottke stated in a later post, blogs aren’t really dying. They have, however, lost their former relevance as content providers for news pages and feed aggregators. Blogging has become an enclosed ecosystem, operating internally within its own sphere. More importantly, the blog format, the iconic reverse-chronological stream that became an almost universal reference of web-page design, is being replaced by automatic trending algorithms.

Pages like Facebook, Twitter, Pinterest, use complex algorithms to determine what topics are trending in the moment. That means that posts, or entries, are attributed a degree of importance that is determined automatically, based on the number of “likes”, “comments” and “shares” that they receive.

The problem is that things may not be as transparent as they seem. In the case of Facebook, trending has been the default visualization mode for some time now. The option to view entries in chronological order was available at the top of the news feed, making it plainly visible. However, it didn’t seem to memorize your preference. Once you logged back in, it reverted to Facebook’s default option.

The recent redesign brought by Facebook introduced a curious subtlety. This option is still reasonably accessible, but it is hidden in the news feed button, making it less obvious for many users. Also, once you choose the chronological option, a message appears at the top of the stream, and stays there, advising you to go back to what it considers “the most important” posts.

What does this mean? It means that Facebook is subtly imposing its trending algorithm on you. This is a profound transformation of the way we’ve been accessing information on the internet. It values what is most popular, but disregards the uniqueness of what is special. As a consequence, you will not see many of the things that are being posted by your friends or the pages you follow. And it gets worse. Facebook’s monetization system allows pages to pay small fees to promote their posts and access a wider range of users. As expected, paid posts will be valued preferentially by its algorithm. Veritasium has an interesting analysis of this problem.



Because most people tend to use Facebook’s default visualization option, it allows Facebook to manipulate its criteria of relevance to leverage its business model. It seems to do so by imposing a curious mechanism: as a page grows in followers, its posts seem to reach less and less users, in relative terms, “inviting” page owners to promote their posts, paying Facebook’s fees. Such system, of course, wouldn’t work if every user chose the reverse-chronological visualization option.

Which raises a fundamental question: should we allow trending algorithms to determine the way we access information online and ultimately rule our internet experience?




Kerrie Neilen’s Post-it Note Mural at the Art, Not Apart street art festival in Canberra, 2014. Via Geek Art.




It is my firm belief that thousands of years of architectural history have been leading us to this very moment. Indeed, one day, all buildings will look like cats. More images of this pretty looking school can be found here. ‘Tis glorious…




Um post do tipo "fui eu que inventei isto". Não liguem...







Grand Theft Auto IV Walkabout Series is a visual essay by Duncan Harris.

Dead End Thrills is considered the bible of the trade when it comes to the art of screenshot capture. Its author, British gaming journalist Duncan Harris, is regarded as one of the most brilliant video game photographers in the world. He has been capturing the beauty of virtual landscapes for several years using advanced modding techniques and customized image filters.
Grand Theft Auto IV Walkabout Series is one of his latest visual essays, a black-and-white incursion through the game’s iconic Liberty City. The strong emphasis on eye-level perspective and low camera angles accentuates the sharp realism of the pictures, reflecting an aesthetic proximity to the images usually seen in movie stills. Make sure to visit his website to see the full gallery.




If you liked The Architect’s Guide to Life in Video Games you may enjoy my Pinterest pinboard dedicated to this very subject. Architecture in Video Games is a gallery with many examples of fictional buildings, cities, landscapes, and even entire worlds, which have become a part of the history of this fascinating medium. I’ll continue adding new images as I go so keep checking for updates. If you’re a Pinterest member, feel free to follow me there and let me know so I can follow along with your pins as well.




The Architect’s Guide to Life in Video Games is my latest article for Architizer. A short essay presenting 10 exciting examples of video gaming landmarks, ranging from single megastructures to entire cities and wide open landscapes. A list of remarkable virtual places everyone should visit.



SPOTLIGHT | DESTAQUES



FAVORITES | FAVORITOS

BLOGS | BLOGUES

ARCHITECTS | ARQUITECTOS

SEARCH | PESQUISA


ARCHIVES | ARQUIVO

    The archives have been moved to the bottom of the page. Please scroll down to read... :)

COLOPHON

    The architecture blog A Barriga de um Arquitecto / The Belly of an Architect (written in bilingual Portuguese-English) is mainly focused on contemporary architecture and urban design, covering recent works from Portuguese architects as well as projects of international significance.

    My name is Daniel Carrapa. I was born in Lisbon, Portugal, in 1973. I’m an architect living in Évora, a nice historical town that was included in the World Heritage List by UNESCO in 1986. I’m married, have 4 cats – Matilde, Patanisco, Olivia, Lisa – and 1 dog – Moby. Moby is a three-legged dog. He’s okay. I graduated as an architect in 1996 (FAUTL Lisbon Faculty of Architecture). I am also an authority on cat litter and will provide expert advice upon request.

    Feel free to drop me a line to abarrigadeumarquitecto@gmail.com or meet me on Google+. I'm also registered on Twitter and Facebook.

    This blog is published under a Creative Commons license.

    Subscribe to this blog's content feed.

    Established Dec. 2003. Thank you for stopping by.