A Biblioteca da Academia Phillips Exeter, de Louis Kahn



Versão inglesa do documentário La Bibliothèque d'Exeter de Louis I. Kahn, produzido pelo canal ARTE. Considerada uma obra-prima da arquitectura, pela elegância da sua geometria interior e a cuidadosa apropriação da luz natural, a biblioteca é um dos últimos trabalhos do arquitecto americano. Na biblioteca da Academia Phillis Exeter, Louis Kahn reinventou a tipologia deste tipo de equipamento, distribuindo os espaços de leitura na periferia do edifício e criando um vasto átrio no seu interior. O documentário é de 2015.

English version of the documentary La Bibliothèque d'Exeter de Louis I. Kahn, produced by the European culture channel ARTE.A masterpiece of geometry and of architectural precision, the library is one of Louis Kahn’s last works. Louis Kahn reinvented library layout by placing readers close to daylight on the periphery of the building, and by creating a vast central atrium.

Tatiana Bilbao: The House and the City



A Harvard Graduate School of Design tem vindo a partilhar um conjunto de conferências que vale a pena acompanhar, merecendo destaque a palestra de Kenneth Frampton sobre a arquitectura contemporânea nos países com economias de mais rápido crescimento, em particular a China.
No vídeo acima podem assistir à recente apresentação de Tatiana Bilbao, arquitecta sediada na cidade do México, dando a conhecer de forma detalhada o seu processo de trabalho, do entendimento do lugar ao cuidado com a materialidade dos processos de construção, procurando criar espaços humanizados capazes de auxiliar o desenvolvimento cultural e económico das comunidades em que se inserem.

”The House and the City”, conference with Mexican City based architect Tatiana Bilbao for The Harvard Graduate School of Design. Tatiana Bilbao, through the work of her multicultural and multidisciplinary office based in Mexico City, attempts to understand the place that surrounds her and to translate its rigid codes into architecture. As a reaction to global capitalism, the studio aspires to regenerate spaces in order to humanize them and to open up niches for cultural and economic development.

Arquiteturas Film Festival +



Arquiteturas Film Festival
Começa hoje a quarta edição do Arquiteturas Film Festival Lisboa, uma mostra internacional de filmes documentais, experimentais e de ficção sobre a temática da arquitetura. O programa completo pode ser descarregado aqui. Para acompanhar até ao dia 16 de Outubro.



Esquissos de 21 arquitectos em exposição no Museu Nacional Soares dos Reis
My Own Private Phosphenes – Patrimónios Imaginados é uma exposição dedicada à importância da manualidade do desenho na arquitectura, dando a conhecer esquissos de arquitectos como Adalberto Dias, Álvaro Siza Vieira, Raúl Hestnes Ferreira, Alexandre Alves Costa, Gonçalo Byrne, João Luís Carrilho da Graça, José Mateus e Manuel Aires Mateus, entre outros. Para ver no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, até 31 de Outubro.



Primeiro debate do novo projecto Jornal Arquitectos
Os grandes eventos internacionais são plataformas de visibilidade que geram debate, prestígio e criam novas oportunidades concretas de trabalho àqueles convidados a expôr. Após a festa, ficam contactos e novas dinâmicas que extravasam a dimensão cultural da arquitectura e que, desejavelmente, podem criar oportunidades para novos projectos de arquitectura.
Debate com o tema Após a festa: os novos projectos, promovido pelo Jornal Arquitectos, no Centro Cultural de Belém, sala Maria Helena Vieira da Silva, às 17h00 do dia 15 de Outubro.



Entre Vizinhos – Encontro no Bairro da Malagueira
Conversa à volta do projecto de Álvaro Siza e filme Bonjour Tristesse, Berlim de Cândida Pinto. Com a moderação de Nuno Ribeiro Lopes, arquitecto e gestor do plano da Malagueira, e a presença de Brigitte Fleck, autora do livro Malagueira, Alvaro Siza’s Legacy, José Russo, presidente da Junta de Freguesia, a jornalista Cândida Pinto, autora da série Vizinhos, Nuno Grande e Roberto Cremascoli, curadores do Pavilhão de Portugal. Na Associação Santa Maria e Fontanas, às 18h00 do dia 21 de Outubro.



O Que É Aquele Tempo? Exposição A TUA CASA / Atelier dos Remédios
O que é aquele tempo? É uma memória do passado recente, nos anos em que os arquitetos foram contratados para pensar criativamente e projetar de forma inteligente. Fomos incentivados pelos clientes para contemplar soluções com fantasia. Também fomos capazes de aplicar o nosso conhecimento para criar experiências de habitar únicas. Por todas estas razões, o Atelier dos Remédios mostra dois trabalhos d’aquele tempo na sede da OA, que abordam temáticas e escalas diferentes. Através da apresentação de Moradia Monte do Córrego e da E.S. Rainha Dona Leonor (prémio Valmor 2011, ex-aequo), quer pela nossa produção, quer pelo olhar de outros, gostaríamos de introduzir tanto a narrativa, como as ambições criativas do escritório, para o público. Acreditamos existirem valiosas lições a serem aprendidas a partir do nosso passado recente. Com “O que é aquele tempo?“ propomos reflectir sobre o desaparecimento da poética do espaço da nossa disciplina com a mudança no interesse do mercado, e sobre a necessidade de recuperá-la para a arquitectura, apesar das circunstâncias actualmente desfavoráveis.
Para ver na Sede Nacional da Ordem dos Arquitectos, em Lisboa, até ao dia 26 de Outubro.



Modern Masterpieces Revisited
A exposição «Modern Masterpieces Revisited» de Luís Santiago Baptista, comissariada por Bárbara Silva, apresenta um conjunto de imagens graficamente manipuladas que colocam em confronto obras da arquitectura moderna com o actual contexto social e político. A exposição inaugurou no passado dia 1 de Outubro e continuará patente na Circo de Ideias até 5 de Novembro.



Exposição Habitar Portugal 12-14 em Évora
Destaque final para a Exposição Habitar Portugal 12-14 que continua no Fórum Eugénio de Almeida, em Évora, até ao dia 30 de Outubro. No próximo dia 27 terá lugar mais uma conversa à volta das obras em destaque na exposição. Antes do debate será possível visitar as obras com a presença dos arquitectos Aires Mateus, Francisco Barata, José Carlos Cruz e Cândido Chuva Gomes. Um resumo do programa está disponível aqui.

Trienal de Arquitectura de Lisboa +


Imagem: Pedro Silva.

Trienal de Arquitectura de Lisboa
Já começou a quarta edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, sob o título A Forma da Forma. Com um programa preenchido de exposições, debates e conferências, em paralelo com um vasto conjunto de eventos complementares, a Trienal continua a afirmar-se como uma plataforma para reflectir sobre os muitos processos da arquitectura a partir de um olhar diversificado e um alcance que se estende além-fronteiras. Ficam as ligações para alguns dos principais destaques desta edição.

Exposição A Forma da Forma
Um legado fundamental da arquitectura é a sua própria forma. Não só a história se constrói a partir desse universo visual, mas a forma é também uma linguagem comum que agrega arquitectos de todo o mundo em torno de uma conversa colectiva.
Para descobrir no novo MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, a exposição A Forma da Forma foi comissariada por Diogo Seixas Lopes e convida os visitantes a questionar o significado da forma no passado, no presente e no futuro do desenho da arquitectura.

Exposição Obra
Tal como as formas da arquitectura determinam a organização do estaleiro de obra, as tecnologias e a estrutura económica com que a sociedade organiza os seus modos de produção condicionam, e estimulam, a concepção do projecto.
Integrada na programação da Trienal, a exposição Obra está patente na Fundação Calouste Gulbenkian e interroga as relações que se estabelecem no decurso do projecto à obra, com as tensões decorrentes da organização do tempo e da gestão dos custos, da transformação dos factores tecnológicos e das interferências políticas.

Exposição O Mundo nos Nossos Olhos
Os poderosos processos de urbanização que ganharam forma durante o século XX concederam aos arquitectos material para construírem abordagens ideológicas tomadas directamente da cidade e da sua acelerada transformação.
O Mundo nos Nossos Olhos é uma exposição que pretende promover o debate sobre o modo como a nossa compreensão da urbanidade e do território, no presente e no passado, determina o processo de projecto e as suas ramificações para fora da disciplina, aspirando a trazer outros públicos para a compreensão da cidade.

Exposição Sines: Logística à Beira-Mar
Como pode a arquitectura intervir na mecânica produtiva das infra-estruturas logísticas? Como pensar em usos partilhados e nos espaços de fronteira entre cidade e linha de costa, num contexto dominado por infra-estruturas de grande porte?
Tendo por base a colaboração de estudantes e professores de 14 cursos de arquitectura e arquitectura paisagista, esta exposição reúne os exercícios mais relevantes em torno da relação entre a cidade de Sines e a componente industrial e logística do seu território. Para visitar no edifício sede da Trienal de Arquitectura, o Palácio Sinel de Cordes, em Lisboa.

Debates Talk, Talk, Talk
As exposições centrais serão o ponto de partida para três conferências a 17, 18 e 19 de Novembro, representando um segundo momento alto do programa da Trienal. Realizadas em espaços de conferência contíguos às exposições na Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural de Belém e MAAT, trarão a palco arquitectos, investigadores e actores destacados do panorama internacional da arquitectura.
Uma referência final para as conferências principais da Trienal que terão lugar em meados do mês de Novembro. Todas as informações disponíveis no sítio web oficial da 4ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa.

Valor tributário e valor de mercado (2/2): qual é o valor tributário de uma moradia de 1 milhão de euros no Restelo?



Ainda que o valor patrimonial tributário possa pontualmente ser superior ao valor de mercado, em particular nas habitações de menor custo, o modelo de cálculo utilizado pela Autoridade Tributária faz com que os imóveis mais onerosos sejam avaliados com um valor muito inferior. Por este mesmo motivo, uma casa com valor tributário de 500 mil euros terá sempre um valor de mercado muito mais elevado, dificilmente ao alcance de pessoas com rendimentos equiparáveis aos da classe média. [1/2]

Para melhor ilustrar o desfasamento entre o valor patrimonial tributário e o valor real de mercado, resultante do modelo de cálculo utilizado pela Autoridade Tributária para a avaliação de imóveis, tomemos como exemplo uma moradia no Restelo com valor superior a 1 milhão de euros.

O exercício tem por base um caso real extraído do sítio web de uma popular imobiliária: uma habitação unifamiliar isolada de dois pisos com garagem para duas viaturas, com área bruta privativa de 240 metros quadrados e área bruta dependente de 45 metros quadrados, num terreno de 350 metros quadrados, à venda por um valor superior a 1.250.000 euros.

Considerou-se o coeficiente de localização mais punitivo, com o majorativo máximo de 3,5, aplicando-se ainda majorantes de qualidade e conforto relativos à tipologia (moradia), existência de garagem individual, sistema central de climatização e localização excepcional.

O valor patrimonial tributário resultante varia conforme a idade do prédio, da qual resulta o importante coeficiente de vetustez. Sendo o Bairro do Restelo da década de quarenta do século passado, consideraram-se para efeitos deste exercício três valores possíveis para a idade: (mais de) 60 anos, 20 anos (no caso de uma recuperação relativamente recente), ou apenas 1 ano (para identificar o valor de avaliação mais elevado possível). Os resultados são os seguintes:

— 60 anos: valor patrimonial tributário de 377.770,00 €;
— 20 anos: valor patrimonial tributário de 549,480,00 €;
— 1 ano: valor patrimonial tributário de 686.850,00 €.

Temos assim que os valores obtidos são, nos casos mais elevados, próximos de metade do preço de venda do imóvel. Na situação mais favorável, com o coeficiente de vetustez máximo, atingimos mesmo um valor patrimonial inferior a 400 mil euros.

Importa relembrar que o coeficiente máximo aplicado neste caso (de 3,5) só é aplicável a localizações de excepção no território nacional, em Lisboa ou no Algarve (Baixa-Chiado, Bairro do Restelo, frente do Parque das Nações, Quinta do Lago, Vale de Lobo). Os coeficientes de localização em Lisboa podem variar entre 1,6 e 3,5; no Porto entre 1,5 e 2,5 (com uma excepção de 3 para a Avenida de Montevideu); em Setúbal entre 1,4 e 1,75; em Coimbra entre 1,35 e 2,45 – para dar apenas alguns exemplos.

Este exercício permite-nos confirmar que um imóvel com valor tributário de 500 mil euros é, na verdade, um imóvel com preço de mercado próximo do dobro deste valor. De igual modo, um imóvel transacionado no mercado por valores próximos do meio milhão de euros tem um valor patrimonial bastante inferior.
Quando confrontamos a realidade destes factos e destes números com a retórica inflamada que está a ser propagada pela mídia portuguesa temos de nos interrogar sobre quem representam e que interesses defendem afinal os seus editorialistas e comentadores.