Alvenaria


Wang Shu, Ningbo History Museum, Ningbo, China, 2003-2008. Image credits: Fernando Guerra, via Facebook.

Talvez um autor seja alguém que nos fala sempre das mesmas coisas. Um escritor, um cineasta, um arquitecto, estabelece sempre uma relação com o mundo a partir dos seus próprios temas, do seu ponto de partida. Por isso, de certo modo, de cada vez que abordamos uma obra estamos a retomar uma conversação com a mesma pessoa e esse diálogo é sempre possível, agora e no futuro, como nos é possível reencontrar hoje a voz dos autores do passado.
Uma verdadeira sociedade do conhecimento será aquela que compreende o lugar da cultura enquanto diálogo, não apenas do presente consigo mesmo, mas com os que nos antecederam. O drama do presente reside na perda de contexto das palavras e das imagens, na trágica relativização de tudo. Se há um património a proteger são essas vozes que se lançam através dos tempos para falar connosco, nas páginas de um livro, nos frames de um filme, nas alvenarias de um edifício.

Imagens do Museu de História de Ningbo, projecto da autoria do arquitecto chinês Wang Shu, distinguido com o Prémio Pritzker em 2012. Fotografias de Fernando Guerra. Álbum completo disponível no Facebook.





Sem comentários:

Publicar um comentário