Identidade ARX



Visitei recentemente a exposição ARX ARQUIVO onde se dá a conhecer o percurso de duas décadas de trabalho da ARX Portugal. Uma viagem pelo processo de investigação que o atelier de Nuno e José Mateus leva a cabo em cada projecto de arquitectura, trata-se de uma apresentação de um espólio muito extenso de material de trabalho que se organiza como arquivo habitável, onde as maquetes ocupam um papel fundamental.
A exposição começa por conduzir-nos no tempo através de um painel de fotografias, desenhos e referências várias que fazem parte das suas origens, onde podemos reconhecer as influências da Morphosis de Thom Mayne, de Eisenman ou de Libeskind. Abre-se então o trajecto cronológico pelas obras da ARX, revelando como cedo se foram desvanecendo gestos mais formalistas de origem para assistirmos à consolidação da identidade ARX. É uma prática experimental que arrisca o desconhecido, exploratória, livre do espartilho de pressupostos fixos e linguagens pré-definidas, expondo o melhor sentido cosmopolita da academia de Lisboa.
ARX ARQUIVO estará patente no CCB até ao dia 21 de Julho. Ficam alguns instantâneos, recomendando a visita ao sítio web da ARX onde podem encontrar uma reportagem fotográfica mais completa e fiel ao ambiente da exposição, a não perder.









ARX, ARX ARCHIVE exhibition, Lisbon, Portugal, 2013.

Sem comentários:

Publicar um comentário