[fale para a minha maminha esquerda]

Quarta-feira



De todos os casos de atropelo das regras mais básicas do jornalismo em que o processo da “Pedofilia na Casa Pia” foi fértil, a divulgação de trechos das famosas escutas telefónicas efectuadas a Ferro Rodrigues foi, facilmente, o mais vergonhoso. Foi um caso flagrante e despudorado de violação dos direitos mais básicos de um cidadão de que há memória em Portugal. É um exemplo paradigmático em que, independentemente das escutas serem ou não legítimas, não só o público não tinha o “direito de saber”, como o cidadão escutado tinha “o direito de que não se soubesse” – neste caso o teor de escutas que, para além de consistirem em conversas privadas, deveriam ser destruídas caso não viessem a sustentar qualquer acusação ou indício de crime.
Mais escandalosa se tornou a sua revelação na altura por ser cometida não por um qualquer jornal sensacionalista mas pelo semanário Expresso que se arroga o título de verdadeira instituição do jornalismo nacional.

Neste país em que vale tudo, a recente história das cassetes “alegadamente roubadas” ao jornalista do Correio da Manhã veio tornar ainda mais transparentes as debilidades do nosso “estado de direito”. Aqui o escândalo não é de todo a existência das gravações sem consentimento das fontes nem a sua divulgação. Quem ainda se surpreender com as coisas que aparecem nos jornais não deve ter estado em Portugal no último ano. O escândalo deve-se à leviandade com que pessoas que ocupam cargos de elevada responsabilidade no sistema judicial partilham com um qualquer jornalista factos de uma investigação que se encontrava, há data, em segredo de justiça. Uma promiscuidade que se agrava quando algumas dessas figuras se manifestaram tão críticas às episódicas fugas de informação para a praça pública cujo intento acusavam ser a perturbação do processo em curso.

A demissão (óbvia) de Adelino Salvado por entre alegações de que era ele agora a vítima de cabala e a minimização dos excessos que admitiu poder ter cometido naquilo que considerou serem simples “conversas entre amigos” ainda torna mais sórdido o episódio. Pior do que não se ser sério é ser-se meio-sério. Ao ex-director da Polícia Judiciária só lhe restava, em nome do mínimo de dignidade pessoal e profissional que evidentemente não possui, demitir-se sem mais comentários como de resto fez e bem a assessora de imprensa da Procuradoria Geral da República, Sara Pina.

Mas se as responsabilidades criminais de todo este episódio poderão ser difíceis de apurar, já as responsabilidades políticas devem ser cobradas em toda a sua extensão. E é, por isto, inacreditável que Sampaio dê cobertura a este procurador-geral e venha novamente com as habituais declarações mofadas de que “tudo deverá ser investigado até às últimas consequências”, que como se sabe costumam ser nenhumas.
Que país é este em que, comprovadamente, o director da PJ e a porta-voz da PGR conhecem factos de uma investigação em curso que não deviam conhecer e os partilham com jornalistas, nas barbas de um procurador que aponta as falácias do mau jornalismo e tem pessoas a violar o segredo de justiça mesmo debaixo do seu nariz, na casa de que é o principal responsável. E que país é este quando, perante isto, os mais altos interventores da nação se recusam a exercer os poderes de que são titulares e que existem exactamente para repor a integridade das instituições neste tipo de situação.

É curiosa a rapidez com que aquilo que seria em tempos inacreditável se torna perfeitamente óbvio. E o pântano, como sempre, alastra-se...

Sem comentários:

Publicar um comentário