Refugees have the right to be protected: António Guterres no TED +

Refugees Have the Right to Be Protected: António Guterres – TED Talks
Participação de António Guterres, ex-Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), na conferência TED Global que teve lugar em Genebra, no passado dia 8 de Dezembro.
UN High Commissioner for Refugees António Guterres thinks that we can solve the global refugee crisis — and he offers compelling, surprising reasons we must try. In conversation with TED's Bruno Giussani, Guterres discusses the historical causes of the current crisis and outlines the mood of the European countries that are trying to screen, shelter and resettle hundreds of thousands of desperate families. Bigger picture: Guterres calls for a multilateral turn toward acceptance and respect — to defy groups like ISIS's anti-refugee propaganda and recruiting machine.

Tendências Globais 2030: Estudo de caso: A tragédia dos refugiados e a resposta internacional
Debate muito recente com a presença de António Guterres realizado no âmbito das Conferências de Serralves, sobre o tema “A tragédia dos refugiados e a resposta internacional”, com moderação do Presidente da Fundação Serralves, Luís Braga da Cruz.

Yanis Varoufakis: Capitalism will eat democracy – unless we speak up
Outra conferência que vale a pena descobrir, realizada no mesmo evento TED Global em que esteve António Guterres, em Genebra, no dia 8 de Dezembro, desta vez com o carismático Yanis Varoufakis.
Have you wondered why politicians aren’t what they used to be, why governments seem unable to solve real problems? Economist Yanis Varoufakis, the former Minister of Finance for Greece, says that it’s because you can be in politics today but not be in power — because real power now belongs to those who control the economy. He believes that the mega-rich and corporations are cannibalizing the political sphere, causing financial crisis. In this talk, hear his dream for a world in which capital and labor no longer struggle against each other, “one that is simultaneously libertarian, Marxist and Keynesian.”

Enough Is Enough
Pequeno ensaio video baseado no livro Enough Is Enough de Rob Dietz e Dan O’Neill, questionando a sustentabilidade de um modelo económico baseado no paradigma do eterno crescimento.
Enough Is Enough lays out a visionary but realistic alternative to the perpetual pursuit of economic growth—an economy where the goal is enough, not more. Based on the best-selling book by Rob Dietz and Dan O'Neill, the film explores specific strategies to fix the financial system, reduce inequality, create jobs, and more. Drawing on the expertise of Tim Jackson, Kate Pickett, Andrew Simms, Natalie Bennett, and Ben Dyson, Enough Is Enough is the primer for achieving genuine prosperity and a hopeful future for all.

Making Money Work - Adair Turner
Conferência promovida pelo think-tank Positive Money com o tema “Making Money Work”, debatendo os perigos de uma política monetária que tem o crédito e o endividamento como base para o crescimento.
On Monday 7th September 2015, Positive Money hosted a high-level panel discussion, “Making Money Work”, with Lord Adair Turner, Professor Steve Keen (Kingston University) and Chris Giles (Financial Times) in Central Hall Westminster. It was the biggest event on monetary financing that has ever taken place. The event was attended by around 200 people, including leading figures in finance and civil society. Those taking part included Richard Murphy, advisor to Jeremy Corbyn, Natalie Bennett, leader of Green Party, as well as ex-banker and economics commentator Frances Coppola. Lord Turner gave a talk on how the monetary system works, the dangers of debt-fuelled growth and monetary financing as a new monetary policy tool that should be considered by governments and central banks. After his presentation, Lord Turner was joined by Professor Steve Keen, Head of School of Economics, History and Politics at Kingston University, London and Chris Giles, Economics Editor of the Financial Times. The discussion was focused on the question “Can innovations in monetary policy promote long-term prosperity?”.

The Story Behind Architecture For Humanity’s Surprising Rebirth
O encerramento do grupo Architecture For Humanity lançou uma sombra sobre o futuro das iniciativas de intervenção social e comunitária no domínio da arquitectura. No entanto, um ano depois, novas organizações sem fins lucrativos estão a erguer-se no seu lugar. O sítio web Fast Company conta a história.

Sound + Vision Magazine: Especial David Bowie
O Sound+Vision, de João Lopes e Nuno Galopim, em mais uma das suas sessões culturais na Fnac Chiado, desta vez celebrando o génio da cultura pop/rock de David Bowie.

Exposição O Círculo Delaunay
O Círculo Delaunay, uma exposição a não perder, patente no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian até ao próximo dia 22 de Fevereiro.
Sonia e Robert Delaunay viveram em Portugal desde Agosto de 1915 até Dezembro de 1916, aprofundando as relações, que já mantinham em Paris, com alguns portugueses – Amadeo de Souza-Cardoso, Eduardo Viana e José Pacheko, e a que se junta junta Almada Negreiros. Esta exposição reconstitui o ambiente criativo gerado pela presença destes artistas que a guerra traz ao seu país de origem ou que empurra para o exílio, apresentando novas investigações sobre as relações dos Delaunays com Amadeo de Souza-Cardoso.

The great architectural divide

The PC [politically correct] takeover of architecture is complete: the Pritzker Prize has mutated into a prize for humanitarian work. The role of the architect is now “to serve greater social and humanitarian needs”, and the new laureate is hailed for “tackling the global housing crisis” and for his concern for the underprivileged. Architecture loses its specific societal task and responsibility, architectural innovation is replaced by the demonstration of noble intentions and the discipline’s criteria of success and excellence dissolve in the vague do-good-feel-good pursuit of ‘social justice’.
I respect what Alejandro Aravena is doing and his "half a good house" developments are an intelligent response. However, this is not the frontier where architecture and urban design participate in advancing the next stage of our global high-density urban civilization.
I would not object to this year’s choice half as much if this safe and comforting validation of humanitarian concern was not part of a wider trend in contemporary architecture that in my view signals an unfortunate confusion, bad conscience, lack of confidence, vitality and courage about the discipline’s own unique contribution to the world.

Patrik Schumacher, via Facebook.

Patrik Schumacher’s very public reaction to this year’s Pritzker Prize announcement didn't exactly come as a surprise. The outspoken director of Zaha Hadid Architects seems to have a propensity for controversy and doesn’t shy away from a good altercation with strangers on the social web.
Despite the severity of his words or the platform used to convey them, it would be wise to avoid any temptation to personalize the discussion. There’s likely much more to consider than the mere clash of individual personalities or “styles”. In fact, however inadvertently, his stance portrays the greater divide that stands before the architectural profession in the 21st century.

At the core of this dispute stands a divergent understanding of the role architecture should play in society today. In his repeated affirmation of Parametricism as the paradigmatic style of our era, the forefront of architectural discourse and innovation in an age of globalization and market-led economies, Patrik Schumacher has emphasized the notion that architecture and politics shouldn't be associated.
Socially-engaged practices, such as the one recognized by this year’s Pritzker, stand on the opposite side of the barricade. Architecture should not only be politically engaged, it is inevitably an extension of a political discourse.

Image credits: Hufton + Crow.

The idea that Parametricism, both as a movement or a conceptual discipline, is devoid of politics seems to have correspondence with the neoliberal stance regarding the “amorality” of economic agents – an affirmation that is everything but neutral concerning “morality”. If anything, it is in fact a politically charged manifestation of the ideas of its time. Paradoxically, the term was officially “coined” by Patrik Schumacher in 2008, at the peak of the greatest financial crisis of our generation.
If Parametricism is indeed an architecture of its time, it seems to reflect the peak of an era of irrationalism, the product of forty years of credit-based monetary expansion. A financial, economic, political, social bubble. An architecture fitting for a culture of "non-crisis".

That era, as we know, began its demise in that same year of 2008. And, just as much, Parametricism runs the risk of becoming an architecture of the past, even in its forthcoming manifestations. What does the world of architecture, and architects around the world, have to learn from it? Hyper-structural buildings often characterized by a gross disproportion between the container and its contents, with an inversely proportional relation between the built and the lived; an architecture fiercely engaged in providing to the visitor the ecstasy before its own obesity.

As we are learning fast, bad politics will always result in bad architecture – and that’s something that not all the rhetoric in the world can hide.

Image credits: Vhils.

One question remains though: where is the forefront of architecture today? What epitomizes the vanguard? Aravena’s “half a good house” or the latest curvy condo in NY? If architecture is to affirm any kind of ethical commitment towards society, these interrogations should be acknowledged: do we really care about the cutting-edge skeletal residential tower by the beach in Copacabana, when you have over one million people living in favelas in the background?

By disregarding socially engaged architectural practices, Patrik Schumacher displays a tragic absence of understanding of the profound transformations that are likely to take place in this century. Having exhausted a financial model of debt-based-growth, beyond all sustainability, we are likely to witness unforeseen changes in our economic paradigm that will ultimately impact our professional landscape.

After the downfall of the CDO market and its worldwide ramifications, after the sovereign debt crisis instigated by the same rating agencies that were giving triple-A status to subprime mortgage-based CDOs right before the collapse, after the recession caused by misguided austerity policies that increased unemployment and poverty, we are now witnessing symptoms of an alarming shutdown of the global economy – impacting heavy industrial machinery enterprises, extracting industries, oil and gas companies, and now, financial markets around the world.

Making matters worse, we are simultaneously facing unquestionable signs of the impact of human activity on the planet. During this century, we are likely to face environmental transformations that will impact agriculture and other forms of human production. We will confront water shortage in several parts of the globe and a dramatic need to embrace more sustainable forms of energetic consumption.

Image credits: JR.

All these changes will impact our political and social landscape in ways we cannot yet perceive, but already we are faced with massive migrations, poverty and relentless inequality. And just as much, architecture too will be summoned to participate in the process of finding answers to these manifestations and the ways in which these will be expressed in the built environment. It's only by facing the prospect of these interconnected transformations that we can establish a true notion of what is critically relevant in our times.

This is the great architectural divide that stands upon us today. One may seek refuge in the ivory towers of globalized corporations, with these harsh realities far away from view, and find a comfortable living designing for the one percent. Just don't act surprised if your work is not particularly engaging, and least of all relevant, to the other ninety-nine.

The Big Short: a história de um crime financeiro contra a Humanidade

The Big Short é um retrato dos anos que precederam a crise financeira de 2007/2008. O filme acompanha um conjunto de analistas que vislumbrou antecipadamente o colapso das obrigações de investimento associadas ao mercado imobiliário (CDO), consideradas até então como produtos de baixo risco, classificadas pelas agências de notação como triplo-A e vendidas massivamente pelas instituições de Wall Street.

Adaptação do livro The Big Short: Inside the Doomsday Machine de Michael Lewis, o filme realizado por Adam Mckay tem o mérito de enveredar para lá da opacidade que habitualmente se esconde por detrás de expressões como derivados complexos, activos tóxicos ou economia de casino. Com o olhar satírico que lhe é peculiar, Mckay consegue tornar acessível para o grande público o emaranhado de conceitos que está na origem de tais produtos financeiros. Mais do que isso, o filme denuncia a chocante falta de ética, o “curto-prazismo”, enfim, a ganância irreprimível que levou Wall Street a perpetrar nada mais do que um autêntico crime financeiro contra a Humanidade.

E isto, senhoras e senhores, é o fim do mundo tal como o conhecemos.

No livro O Minotauro Global, Yanis Varoufakis detalha o modo como os CDO foram instrumentos que conduziram à intoxicação da economia mundial. Explica, em resumo, que os banqueiros pagavam às agências de notação de risco para conceder o estatuto de triplo-A às CDO que eles emitiam; as autoridades reguladoras (incluindo o banco central) aceitavam estas classificações como sendo fidedignas; e os jovens promissores que tinham garantido um emprego mal remunerado com uma das entidades reguladoras em breve começaram a planear a mudança de carreira para o Lehman Brothers ou para a Moody’s. A supervisioná-los estava um bando de secretários e de ministros das Finanças que ou já tinham servido durante anos no Goldman Sachs, no Bear Stearns, etc., ou estavam à espera de se juntar ao círculo mágico depois de deixarem a política. (…) Numa ecologia em que a riqueza do papel parecia auto-propagar-se, seria precisa uma disposição heróica – imprudente – para fazer soar os alarmes, para fazer as perguntas embaraçosas, para lançar dúvidas sobre o pressuposto de que as CDO de triplo-A acarretavam risco zero. Mesmo que algum regulador, corrector ou banqueiro romântico soasse o alarme, ele seria esmagado, acabando como figura trágica na sarjeta da história.

Os heróis acidentais do filme de Adam Mckay são exactamente essas figuras divergentes: analistas e gestores de investimento que, antevendo o colapso inevitável de uma colossal bolha imobiliária, conseguem prever a queda subsequente do mercado de obrigações colateralizadas. Procuram assim subscrever junto dos principais bancos de Wall Street obrigações em regime de swap (CDS), seguras em caso de incumprimento de crédito. Ao fazê-lo, estes investidores estavam a assumir enormes riscos, uma vez que só teriam retorno em caso de falência daquelas obrigações. Estavam, em boa verdade, a jogar contra o mercado – a jogar contra toda a economia. E, no entanto, convencidas da estabilidade do mercado de obrigações imobiliárias e da verdade do paradigma económico-financeiro que havia vigorado durante décadas, as firmas de Wall Street aceitaram a aposta.

Michael Lewis, autor do livro The Big Short: Inside the Doomsday Machine, editado em 2010.

Apesar do recurso a um registo satírico, por vezes caricatural, The Big Short não deixa de ser um drama biográfico sobre o maior crime financeiro da História. Muito mais do que “um filme sobre Wall Street”, esta é uma obra provocadora que aborda eventos que dizem respeito a todos. Trata-se afinal de denunciar os factos que estiveram por detrás do despoletar de uma profunda crise sistémica que continua a desenrolar-se nos dias de hoje.
Com produção de Brad Pitt que também participa ao lado de Steve Carell, Christian Bale e Ryan Gosling, acompanhados de uma lista de notáveis actores secundários onde podemos encontrar Melissa Leo e Marisa Tomei, este é um filme simplesmente obrigatório para todos os que querem conhecer melhor o mundo em que vivemos, para lá do cenário de aparências que tantas vezes se faz passar como “realidade” aos olhos do grande público.

Shoot the glass!

Se Assalto ao Arranha-Céus é um dos mais memoráveis filmes de acção da década de oitenta deve-o em grande parte a Alan Rickman. O actor inglês, então com uma respeitada carreira no teatro e meia-dúzia de participações em televisão, estava à beira de declinar o papel. O que poderia afinal levar alguém com o seu perfil, um homem dos palcos que nunca havia participado numa produção cinematográfica, a enveredar no mundo de Hollywood – e ainda para mais num território tão pouco erudito da representação.

Rickman resolveu deixar um conjunto de sugestões ao produtor Joel Silver. Era suposto que Hans Gruber, o icónico vilão de Die Hard, vestisse roupas de tipo militar, encenando mais uma variação do típico terrorista mercenário que encontramos em mil e um filmes do género. Foi Alan Rickman a sugerir que a personagem envergasse um aprimorado fato e gravata, propondo também que, a certa altura, se fizesse passar por refém – naquele que é o primeiro confronto de representação entre Gruber e o herói, John McClane.

Justamente considerado como um dos grandes vilãos de sempre do cinema, Hans Gruber é, afinal, não um mau-da-fita mas tão só um indivíduo excepcionalmente inteligente, irrepreensivelmente culto e inteiramente desprovido de escrúpulos. É o formalismo shakespeariano que Rickman lhe confere que oferece o contraste vincado com a espontaneidade natural de Bruce Willis, resultando a química perfeita que está na base do sucesso deste western urbano contemporâneo.

O resto, como sabemos, é História. Alan Rickman seguiria para uma brilhante carreira cinematográfica, abraçando sem complexos papéis mais ligeiros e populares, a par com textos de matriz erudita. A sua versatilidade, o seu carisma, a sua voz, a profunda entrega que colocava ao serviço da sua arte, fazem dele um actor inesquecível. Tinha, de igual modo, o sonho da realização que, lamentavelmente, experimentou apenas por duas vezes. O recente A Little Chaos (Nos Jardins do Rei), uma deliciosa incursão fictícia no período da construção dos jardins do Palácio de Versalhes, fica como testemunho da sua sensibilidade teatral, no melhor sentido do termo.

Faleceu ontem, aos 69 anos de idade, cedo demais.

2016 Pritzker Prize: Alejandro Aravena

Image credits: Cristobal Palma.

O arquitecto chileno Alejandro Aravena, a quem dediquei o meu texto de ontem, foi hoje anunciado como vencedor do Prémio Pritzker 2016.

Alejandro Arajena é director do estúdio de arquitectura ELEMENTAL, sediado em Santiago, que se tem destacado pelos seus projectos de interesse público e impacto social. Particularmente considerada é a sua intervenção no domínio habitacional, estando envolvido na concepção de mais de 2500 unidades de habitação de custos controlados na última década.

Um dos aspectos mais elogiados no trabalho da ELEMENTAL é a inclusão dos cidadãos em processos participados de projecto, levados a cabo em condições de grande proximidade entre os arquitectos e os futuros utilizadores. Como o próprio Aravena confessou aquando da sua conferência no fórum TED, tratam-se de processos muitas vezes conturbados e difíceis mas que podem conduzir a resultados surpreendentes, promovendo uma forte ligação entre o espaço construído final e os seus habitantes.

No anúncio oficial da atribuição do prémio, Thomas Pritzker refere que o Júri seleccionou um arquitecto que aprofunda a nossa compreensão do que é verdadeiramente um grande projecto. Alejandro Aravena é pioneiro de um tipo de prática colaborativa que produz trabalhos de arquitectura poderosos e que abordam os principais desafios do século XXI. O seu trabalho construído confere oportunidades económicas para os menos privilegiados, atenua os efeitos dos desastres naturais, reduz o consumo de energia e providencia espaços públicos acolhedores. Inovador e inspirador, ele revela-nos que a arquitectura, no seu melhor, pode melhorar a vida das pessoas.

Mais informação no sítio oficial do Prémio Pritzker, com destaque para o Media Kit e o Livro de Imagens, disponíveis em formato digital.

A arquitectura nas trincheiras do mundo

Não há nada pior do que responder correctamente à pergunta errada.

TED: Alejandro Aravena (My architectural philosophy? Bring the community into the process).

O tema da Exposição Internacional de Arquitectura da próxima Bienal de Veneza é dado por Alejandro Aravena, o homem forte da Elemental. Reporting from the front é o mote para questionar a vanguarda contemporânea num momento em que se começam a vislumbrar os contornos das transformações profundas –económico-financeiras, ambientais, sociais – que irão marcar a história deste século. Aravena propõe-nos afinal algo muito simples: que a linha da frente da prática e da crítica da arquitectura está na charneira da crise – ou dos múltiplos cenários de crise da nossa era.

O seu texto de abertura invoca sem ambiguidades o dever social da arquitectura, dando conta do número crescente de pessoas que busca uma melhor qualidade de vida num mundo cada vez mais incapaz de corresponder às carências emergentes. O futuro do ambiente construído é um lugar central nessa discussão que é tanto crítica quanto política. Está em causa, como escreve o curador da exposição, combater o business as usual e afrontar a inércia da realidade. Trata-se de identificar a “cultura da não-crise” como um dos verdadeiros inimigos deste tempo.

No repto que lança aos diversos parceiros do evento, arquitectos, sociedade civil e representantes nacionais, Aravena parece mais interessado em convocar os problemas com que estes se confrontam – as crises por resolver que habitam os seus territórios – do que fazer desfilar uma montra de soluções aparentes, pouco sujeitas à adversidade da experiência e de nenhuma consequência futura.
Paolo Baratta, presidente da Biennale, confirma esse desígnio sublinhando o afastamento entre uma arquitectura crescentemente preocupada em produzir edifícios espectaculares, reflexo celebratório do poder e das ambições dos clientes e, por outro lado, uma sociedade que lhe fica indiferente, desistindo de interrogar a Arquitectura.

Está dado o mote para um evento promissor que poderá redefinir a linha da frente da arquitectura como lugar de conflito e de crise, para lá de elaborações sobre desenho e edifício, questionando teorias de organização social e estratégias de envolvimento cívico. Importa afinal considerar a responsabilidade que transcende para lá dos edifícios que se desenham, das cidades que eles constroem, perante aqueles que as irão ocupar e a vida que neles irão fazer.
É esse também o território que Alejandro Aravena vem explorando nos últimos anos, ao leme da Elemental, através de um corpo de trabalho divergente e provocador que vale sempre a pena explorar. Ficam várias imagens de alguns dos seus projectos de intervenção social mais conhecidos, abaixo.

Distância Crítica: conferência com Ellen van Loon (OMA)

Ellen van Loon é actualmente uma das figuras de topo da OMA, a firma criada por Rem Koolhaas em 1975. Entre os projectos que dirigiu encontramos a notável torre De Rotterdam, a Casa da Música (Prémio RIBA 2007) e a Embaixada Holandesa em Berlim (Prémio Mies Van der Rohe 2005).
A arquitecta vai estar em Portugal no dia 17 de Fevereiro para participar numa conferência integrada no ciclo Distância Crítica, com produção da Trienal de Arquitectura de Lisboa. O evento terá lugar no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém. Os ingressos podem ser adquiridos através da Bilheteira do CCB e na Ticketline, com custo de 5 euros.

Contemporâneo perpétuo

Look up here, I’m in heaven
I’ve got scars that can’t be seen
I’ve got drama, can’t be stolen
Everybody knows me now

— David Bowie, Lazarus (2015).

Ser contemporâneo, do primeiro ao último dia das nossas vidas.

A minha geração descobriu David Bowie em plena fase pop, em meados da década de oitenta, algures entre o mega-êxito de Let's Dance e Absolute Beginners. Desconheciamos então os devaneios espaciais e as vidas passadas de Ziggy Stardust, que só viríamos a descobrir anos mais tarde. Era no entanto palpável a aura que fazia dele uma figura incomparável e incomummente respeitada no meio musical. Daquela década fica a memória dos duetos míticos com Freddy Mercury e Mick Jagger, bem como a prestação em Wembley, no dia 13 de Julho de 1985, no concerto Live Aid.

Contemporâneo perpétuo, David Bowie definiu a vanguarda fora das tendências do seu tempo, abrindo caminhos que outros seguiriam. Na sua música celebra-se o encontro entre a grande Arte e o universo popular. As suas transfigurações revelam-nos alguém que soube usar a identidade pessoal como palco de representação, assumindo a liberdade de ser diferente, sempre.

Parte num momento em que não havíamos ainda ponderado o alcance de Blackstar, o seu álbum testamento, marcado pela edição recente do vídeoclip Lazarus. Tony Visconti, produtor de longa data de Bowie, escreve que a sua morte não foi diferente da sua vida – uma obra de Arte. De regresso às estrelas, resta-nos o consolo na música. Para ouvir, depois do salto.

Explorando as ruínas da Casa Sperimentale +

Communicating Forms
Mais um debate promovido pela Trienal de Arquitectura de Lisboa no âmbito do lançamento da quarta edição, que ocorrerá a partir de Outubro deste ano. Com a presença de Mark Tuff (Sergison Bates Architects) e Tim Abrahams, o evento teve lugar nas instalações do Royal Institute of British Architects, em Londres, no passado dia 17 de Novembro.

A Massive Landslide of Mud and Construction Waste Strikes Shenzhen, China
Registo visual da derrocada de lamas que destruiu dezenas de edifícios e matou um número indeterminado de pessoas (contando-se várias dezenas de desaparecidos) no dia 20 de Dezembro de 2015, em Shenzhen. A reportagem é da revista americana The Atlantic.

LA's Gas Leak Is a Global Disaster
Crónica de uma monumental fuga de gás natural nos arredores de Los Angeles que começou no dia 23 de Outubro do ano passado e que ainda se encontra a decorrer. A erupção invisível teve origem na rotura de um tubo de perfuração com profundidade superior a 2500 metros. Sendo já considerado um dos maiores desastres ambientais da década, esta fuga pode estar na origem de inúmeros problemas de saúde que têm sido registados na região, tendo já motivado o realojamento temporário de milhares de famílias.

Famed architect Shigeru Ban builds quake-proof homes from rubble in Nepal
Shigeru Ban é um dos arquitectos envolvidos no processo de reconstrução das áreas devastadas pelo tremor de terra que afligiu o Nepal em 2010. As propostas têm por referência os parâmetros anti-sismicos japoneses, fazendo uso de recursos materiais facilmente acessíveis: madeira, contraplacado, enchimentos de gravilha de tijolo (reaproveitando resíduos provenientes da destruição provocada pelo sismo), perfis tubulares de cartão e placas de acrílico. O projecto de cariz humanitário foi desenvolvido por Shigeru Ban desprovido de direitos de autor. Via Archinect.

Ikea And Better Shelter Are Sending Flat-Pack Housing To Refugees In Greece
A Agência da ONU para Refugiados encomendou dez mil abrigos pré-fabricados, um projecto criado pela iniciativa Better Shelter com o patrocínio da Fundação IKEA, destinados a acolher refugiados na Grécia.

Concrete and Glass: Lina Bo Bardi's Easels and a New, Old Way of Displaying Art
Quase cinco décadas depois da sua concepção os painéis de cristal desenhados por Lina Bo Bardi regressam à galeria do Museu de Arte de São Paulo, agora recuperados e revistos pela METRO Arquitetos. Sobre a arquitecta brasileira ler também, no blogue: Uma mulher chamada Lina Bo Bardi.

Exploring the Ruins of Rome’s Casa Sperimentale
Viagem fotográfica à surpreendente Casa Sperimentale, projecto do arquitecto Giuseppe Perugini construído na década de sessenta do século passado. As imagens são de Oliver Astrologo.

Kitbashed: The Origins of Star Wars
Para os fãs, um compêndio online dedicado a investigar as fontes de inspiração do universo Star Wars, percorrendo os primeiros exercícios cinematográficos de George Lucas, as suas referências ao cinema europeu, aos filmes de guerra, aos filmes samurai e à banda desenhada, entre outras. Um trabalho de Michael Heilemann, o homem por detrás do blogue anteriormente conhecido como Binary Bonsai.