Livro: Rio Côa – A Arte Da Água E Da Pedra



O autor descreve a viagem que realizou, em constante diálogo com os seus colaboradores, o que permite ao leitor desde diário compreender o porquê do pormenor das construções e o sentido poético que respiram e, simultaneamente, entender que essas construções são parte integrante da grandiosa paisagem que o rio percorre e a que dá alma e de que recebe a razão de ser.
Gonçalo Ribeiro Telles in prefácio

Recentemente publicado pela Casa do Sul Editora e pelo Centro de História da Arte da Universidade de Évora, o livro Rio Côa – A Arte Da Água E Da Pedra documenta uma viagem de investigação realizada a pé, ao longo do rio, pelo professor Nuno de Mendoça e os seus alunos de Arquitectura Paisagista. Este primeiro volume que agora é dado a conhecer ao público cobre o troço da nascente ao Moinho da Ervaginha, a poente de Vale de Espinho. [Ver Google Maps]

É um livro que respira do melhor que pode existir no espírito académico, movido pelo desejo de sair para o terreno ao encontro dos sinais da presença humana de outrora, nos vales e no leito do rio. Sustentando-se numa metodologia criteriosa de observação e análise somos apresentados a uma paisagem notável onde se foram estabelecendo os sinais da acção do homem, num diálogo com uma ruralidade carregada de saber arcaico. A viagem leva-nos a descobrir antigas presas, muros, diques, registados com fotografias e um denso trabalho de desenho de grande qualidade artística e conteúdo interpretativo.
O relato da jornada é cheio de surpresas. Entre avanços e paragens descobrimos pequenos povoados e aldeias, documentando-se a sua relação com o rio; o casario na meia encosta abrigada dos ventos, o moinho mais abaixo e as áreas mais férteis junto ao leito. Por vezes laboriosos sistemas de rega desenham a paisagem; noutras somos confrontados com um cuidadoso trabalho de arte da pedra usado na consolidação das margens.

O relato da jornada faz-se acompanhar de observações e registos de diálogo com as gentes locais. Confronta-nos por vezes com reflexões sobre o território percorrido e as transformações que vem sofrendo; o fino balanço entre a natureza e a introdução abrupta de processos que lhe são hostis. É também um livro sobre a perda de uma memória e a urgência de a recuperar, em prejuízo de formas de património menos fáceis de classificar mas profundamente entranhadas no saber que conduziu a nossa acção durante séculos.

O trabalho coordenado por Nuno de Mendoça demonstra o delicado equilíbrio entre arte e ciência; entre a leitura técnica dos locais e dos processos que os constituiram, e uma visão alargada, poética, do sábio entendimento da paisagem e do lugar que nela ocupou o homem. É um daqueles livros que merece ser descoberto, fazendo regressar a um saber mais vasto outras formas de saber que devemos, a todo o custo, preservar.





(1) O livro Rio Côa – A Arte Da Água E Da Pedra é uma publicação da Casa do Sul Editora e do Centro de História da Arte da Universidade de Évora, com coordenação de Nuno de Mendoça e prefácio de Gonçalo Ribeiro Telles.

(2) Nuno de Mendoça nasceu em Lisboa em 1939. Escultor, pintor, professor universitário, doutorado em Estética da Paisagem, é investigador do Centro de História da Arte da Universidade de Évora, onde leccionou de 1976 a 1998. Repartiu a sua actividade pela arquitectura, urbanismo, artes gráficas e a docência. Actualmente dedica-se à investigação e à pintura. Como artista plástico, está representado nomeadamente nas colecções do Museu de Évora, do Governo de Macau e da Fundação Oriente.

(3) As ilustrações que acompanham este texto fazem parte da apresentação “A Vida e Arte no Rio” – Conjunto de trabalhos realizados sob a orientação do Prof. Doutor Nuno de Mendoça, em exposição online no espaço galeria do sítio web do Centro de História da Arte da Universidade de Évora.

_
Nota: este livro pode ser adquirido na Livraria Casa dos Livros.
Casa dos Livros, Rua dos Caldeireiros 19-21, Évora
Tel: 266 785 265 / Tm: 937 858 501
Email: casadoslivros[arroba]sapo[ponto]pt

Sem comentários:

Publicar um comentário