[tacteando o caminho]

Quinta-feira

Em geometria descritiva usa-se a palavra charneira para descrever o eixo de rotação de um plano. A charneira é a linha de viragem de uma projecção, ou em sentido figurado, o momento em que a realidade se transforma.

Quando, em 1992, eu e o meu irmão planeámos viajar para o Nepal, vimo-nos empurrados pelo incrível apoio dos pais cuja motivação roçava a inconsciência. Nesses dias conversei com a minha prima Margarida que já lá tinha estado e nos havia inicialmente proposto a ideia da aventura. Ela contou-me como tudo aquilo era fantástico e diferente, o que tinha visto e o que devíamos fazer. No final da conversa teceu umas palavras sobre como, quando regressou, tudo lhe parecia estranho. O regresso tinha sido deprimente, tudo lhe parecia distante como se nada retivesse a mesma importância.
Não pude compreender aquilo e rapidamente o esqueci na densidade da viagem. A chegada a Nova Delhi de noite sem reservas, o ambiente sufocante, uma viagem de comboio rumo a norte até ao fim da linha, um autocarro pela monção e a passagem na fronteira fora de horas. O Nepal foi como devia ter estado à espera, estranho e fascinante como só podia ser aos olhos límpidos e inexperientes de dois jovens ocidentais.
A aventura que um dia espero contar aqui com o tempo devido e as fotografias entretanto guardadas numa pasta poeirenta, foram um tempo de charneira nas nossas vidas. Não o podíamos ver mas pudemos comparar nos nossos retratos, o antes e o depois. A experiência ficou guardada nos traços da cara como minúsculas marcas que escorreram junto do olhar e nas barbas por fazer que entretanto nos iam crescendo. E quando regressámos recordei as palavras da Margarida, pois também a mim tudo pareceu distante nesse regresso a Portugal. Não era o país que me desagradava, mas esta existência sem parâmetro de comparação que nos submerge num monte de futilidades diárias.
Esse tipo de sensação vamos perdendo com o passar dos dias, à medida que a lucidez se vai esbatendo na rotina do tempo. O que fica no fim é como um sonho quase esquecido, mas que nos diz no fundo da mente que algo não está certo como um pequeno alerta no prisma distorcido das percepções quotidianas.
A realidade é que o mundo é um lugar ambíguo onde é difícil cultivar grandes certezas. Ao pôr o pé fora da Europa pela primeira vez compreendemos que não era o mundo que estava lá fora mas antes nós que sempre viveramos num estranho aquário, ignorantes da nossa própria condição.
No Nepal, com a lucidez da distância de milhares de quilómetros, descobri pela primeira vez o que significa ser Português. De volta a Portugal, foi difícil não acabar por esquecê-lo. Nestes dias em que vamos tacteando o caminho sem conseguir ver o que espreita para lá do horizonte tenho tentado recordar aqueles longos dias de viagem num país longínquo, onde a lembrança do som das gaivotas junto ao mar ao pôr do sol me fazia perceber aquilo de que eu era feito. E olho à minha volta para um país de gente esquecida, ignorantemente insatisfeita com a sua falta de generosidade e maturidade.
Entretanto, dia a dia, vamos perdendo o tempo que passa, à espera de uma charneira nas nossas vidas.

5 comentários:

  1. Já não sei como é que descobri este blog. Sei que esteve a marinar durante algum tempo nos meus "Favorites" e um dia redescobri-o e tem sido uma grande alegria ler estas linhas. Nunca disse nada antes porque preferia o anonimato da leitura, mas este post encheu-me as medidas. Sinto muitas vezes essa angústia do regressado.
    Um outro aspecto que me faz navegar tanto por estes lados é que sou uma daquelas pessoas (conheço várias) que se apaixonaram pela arquitectura quando já era tarde de mais. Quando percebi a minha inclinação já estava casado com a engenharia. Queria só dizer que vos leio, aprecio muito o que escrevem e aqui deixo um grande PARABÉNS pelo blog, que faz parte dos links do meu, desde a sua origem.
    Cumprimentos.
    Zé Maria

    ResponderEliminar
  2. Viva
    O programa "Biosfera", em que o Bernardino Guimarães é consultor, vai para o ar 5ª feira às 22 h na RTPN. O primeiro programa é dedicado às ribeiras. A não perder!
    Um abraço ambiental

    ResponderEliminar
  3. Tb eu não sei como descobri este blog, foi por acaso!
    Enmcontrei este texto numa altura em que eu própria vou para fora por uns meses, embora dentro da Europa , e me pergunto muitas vezes se não o faço para descobrir exactamente aquilo q descobriste!
    *

    ResponderEliminar
  4. Em Biologia, a Charneira é, por exemplo, um ponto de ligação entre duas valvas de uma mesma concha. Para além, de um ponto de viragem, porque não, e também, um ponto de ligação que integra um todo? :)

    Gosto muito do seu blog :)

    ResponderEliminar