Blogocídio

Ocasionalmente o bloguista sentir-se-há tentado a cometer o suicídio bloguístico, ou seja, a acabar com o seu blogue. Nessa altura, deverá ponderar a melhor forma de perpetrar o acto estando à sua disposição um manancial de possibilidades, nomeadamente:
a) À bruta: assim de repente, num post só, anunciar a toda a gente que se vai acabar com isto de forma sonora, e prontos!
b) Adeus mundo cruel: a despedida lamechas é adequada a quem tem uma comunidade de leitores sensíveis, naqueles blogues em que toda a gente conversa nos comentários, o autor responde e combinam sair para jantar.
c) Desaparecimento ou morte silenciosa: deixar de escrever sem mais justificações pode ser interpretado de várias maneiras. Por um lado é pouco satisfatório, um underacting, mas também pode ser visto como um traço de carácter. Já não estou para isto e mais nada.
d) Vou ali e já venho: a modalidade “vou tomar um café” da blogosfera é uma boa estratégia para aumentar as visitas. Anunciar que se vai acabar, mas depois voltar passadas duas semanas. Tem a vantagem de que há sempre uns tipos a falar do nosso desaparecimento, o que gera mais links, e depois a voltarem a falar que estamos de volta. O coffee-break é sem dúvida o golpe publicitário ideal.
e) Ia sendo mas não foi ou estou a pensar nisso mas não sei se vá: isto então é que não é nada. Crises existencias, pedidos de solidariedade é que não. Ou sim ou sopas!
f) Zanga de grupo: os blogues colectivos têm ainda a opção da zaragata generalizada. Ideal para intelectuais.
g) Publicar um livro: também muito na moda, publicar um livro e acabar com o blogue é chique e bem aceite socialmente. Eu cá acho mal, mas já se sabe, isto é só inveja!

9 comentários:

  1. A B-esfera tem idiossincrasias curiosas, de que só tomei verdadeira consciencia com o tempo.

    Uma é ter amigos de que só conhecemos o pensar e desconhecemos físicamente.
    O que pode alterar muito o "approach".

    Outra é esta coisa de morrer e voltar à vida quando nos apetece.

    Parece coisa do Céu e as alminhas :)

    ResponderEliminar
  2. E existe ainda a possibilidade do "delete blog", a meu ver a única morte bloguística verdadeiramente digna desse nome, apenas restando a memória dos que o leram.

    ResponderEliminar
  3. É.
    Ainda assim, há caramelos que "deletam" o blog, e continuam por aí... como almas penadas
    :)

    ResponderEliminar
  4. Até agora ainda não tive esse sentimento.
    Mas às vezes parece que estamos a "escrever" para o boneco. Especialmente quando são desconhecidos quem mais "interage", ao contrário dos nossos amigos, com quem, nesta forma original, igualmente pretendemos comunicar.

    ResponderEliminar
  5. Gosto das interacções que os posts suscitam.
    Mas descobri também o puro e simples goso de editar.
    Sem restrições, só para mim.

    Os blogs têm algo dessa ambivalencia da arte: são para os outros, mas sao também para nós próprios.

    ResponderEliminar
  6. ainda estou na fase do deslumbramento... vejo tantos blogs por dia que ando perdido como aqueles cãezitos que cheiram todos os habitantes da esplanada antes de assentar num poiso definitivo. Mas já por aí vi dramas, realmente...

    ResponderEliminar
  7. interessante perspectiva.

    o bloguicídio é algo que se vai vendo por aí.

    colocando de parte a questão da mortalidade infantil dos blogs: diariamente, a elevada taxa de natalidade vai colmatando o espírito sueco que assombra alguns bloggers menos predispostos para a vida [ou sobrevivência].

    os melhores cumprimentos.

    ResponderEliminar
  8. Eles não sabem que o blog, é uma variável da vida.
    Gostei, gostei... *

    ResponderEliminar
  9. Claro está, são alternativas várias. Pensar nelas, vale a pena.
    Mas, coloco-me em outra possibilidade, a do desaparecimento, digamos por morte, do blogueiro.
    Súbita, inesperada, sem avisos...como comunicar aos seus distintos leitores? Seria necessário? Louvável?
    Parece sinistro, o pensamento? Mas é uma possibilidade.
    Mas...vamos deixar tal idéia pra lá!
    Abraços, muito vivos!
    fernando cals

    ResponderEliminar