Da blogosfera para a atmosfera

De que falamos quando falamos sobre os blogues? Como encarar essa constelação tão diversa de conteúdos que tem em comum o facto único de partilhar uma imensa infra-estrutura de conexões em rede?
Se falamos das vicissitudes da blogosfera portuguesa, então tratamos de um assunto bem específico e distante do emaranhado dessa rede interminável. Num panorama onde nunca se afirmou uma cultura ou uma ética blogue, o espaço online tornou-se na caricatura de uma horizontalidade sem referências que vai dando corpo a uma devastadora terraplanagem intelectual, um espaço de relativização absoluta onde tudo vale o mesmo e já nada tem valor. De resto, até o diálogo assertivo e recíproco se revela tantas vezes uma impossibilidade real. A blogosfera nacional alimenta-se do conflito, de uma dissimulação identitária que se exprime no acknowledgment do grupo, meras lógicas de rejeição ou colagem que nada têm de expressão intelectual ou troca de opinião. Nesse território opaco até a hiperligação vai sendo negligenciada, perdendo-se aquela que é uma instituição única da rede quando comparada com outros suportes de comunicação: a capacidade de estabelecer ligações.

A esse respeito, e sobre as particularidades com que o fenómeno dos blogues se instalou em Portugal, Pacheco Pereira apresentou um retrato da paisagem que nos rodeia:

Não é por se usar a mesma ferramenta de software que os americanos, brasileiros, japoneses e chineses que deixamos de ser portugueses, de levar para lá o nosso mundo exterior. Não somos ricos na Rede se somos pobres cá fora, não somos sofisticados em linha, se somos trogloditas cá fora, não sabemos mais e pensamos melhor nas páginas do Blogger do que pensamos cá fora, nos cafés de província, ou no Bairro Alto ou no Lux ou nas páginas dos jornais, não se é cosmopolita lá dentro se se é provinciano cá fora, não se é subserviente cá fora e independente no ecrã diante do computador, não se é burro cá fora e inteligente lá dentro.
O que se passa é que esse verdadeiro mostruário em linha, feito de mil egos à solta, revela mesmo a nossa pobreza, a nossa rudeza, a falta de independência face aos poderosos, grandes, pequenos e médios, os péssimos hábitos de pensar a falta de estudos e trabalho, de leitura e de "mundo", que caracterizam o nosso "Portugalinho". Nem podia ser de outra maneira. Com a diferença que nos blogues o retrato é mais brutal porque mais arrogante e mais solto, ou pelo anonimato, ou pela completa falta de noção de si próprio de quem, por poder escrever sem edição para os milhões de leitores potenciais da Rede, acha que é crítico de cinema instantâneo, engraçadista brilhante, analista político, escritor genial de aforismos, herói único da denúncia dos males do mundo, e portador de todas as soluções que só não são aplicadas porque os outros, a começar pelo blogue do lado e a acabar no fim do mundo, são todos corruptos, vendidos e tristes.
[Abrupto: A cultura de blogue nacional]

Pese embora a verdade destas palavras, será um erro descurar o poder dos blogues como veículos capazes de nos ligar a uma poderosa rede de troca de pensamento, tanto pelas imensas possibilidades de acesso a informação como pela oportunidade de projectar conteúdos “lá dentro” – um equívoco, aliás, que o próprio Pacheco Pereira não comete. Mais do que isso, será um erro maior ignorar que muitas das patologias que afectam a blogosfera são um prolongamento de fenómenos bem entranhados no país que existe “lá fora”.

Aquilo a que se refere o Nuno Grande não terá tanto a ver com esse universo abrangente que é, em boa verdade, a blogosfera – também de arquitectura, território onde dificilmente poderemos descurar coisas como o BLDGBLOG, o Subtopia, o City of Sound, o Life Without Buildings, o Lewism ou o Progressive Reactionary, entre tantos outros. Não esquecendo o blogue de crítica de arquitectura, pura e dura, redigido – e muitas vezes ilustrado – pelo Lebbeus Woods.

Essa blogosfera de arquitectura – infinitamente mais vasta e espalhada pelo mundo – dá corpo ao que de melhor tem a internet enquanto extensão possível e prometedora de uma economia baseada em conhecimento. Com formas e registos diversos, os blogues não estão necessariamente sujeitos ao imediatismo e apenas com um olhar restrito poderemos defender que estão isentos do escrutínio. Se eles se apresentam como plataformas de auto-publicação, estão igualmente sujeitos a formas espontâneas de referenciação e valorização, dentro e fora da rede.
Nada impede que nessa infra-estrutura se possa desenvolver o exercício da crítica e que isso possa ser feito em Portugal, como o demonstra João Lopes a propósito da cultura da imagem e, também, especificamente sobre cibercultura, no Sound + Vision. E nada impede, de igual modo, que isso possa ser feito em relação à arquitectura. Já aconteceu no passado com o Epiderme do Pedro Jordão, porventura o melhor blogue de arquitectura que se produziu entre nós.

O que decorre, no entanto, da argumentação de Nuno Grande é uma forma algo paternalista no modo de abordar a blogosfera – ou, dito de outra forma, os blogues – sem se considerar a complexidade que o próprio termo encerra. Em qualquer disciplina, fazer crítica dá trabalho... pressupõe investigação, leitura, consulta de fontes, entrevista, debate, confrontação, refere. Todas estas coisas se podem encontrar em qualquer dos blogues atrás citados. É certo que os blogues não estão sujeitos aos constrangimentos de uma supervisão editorial - com toda a responsabilidade pública que esse exercício encerra - não estando por isso dependentes do seu escrutínio prévio. Não sendo assim formas institucionalmente creditadas de certificação de conteúdos, os blogues apresentam um enorme potencial para o diálogo assertivo e directo - não me referindo aqui ao "comentário" mas ao tipo de discurso de escrita que um suporte de expressão pessoal permite, muito diverso daquele que podemos encontrar no domínio da publicação escrita.
Os blogues, para o bem e para o mal, não têm monitores e não respondem perante ninguém. É essa a sua força e, como será fácil compreender, a sua fraqueza, mas a sua importância reside nisso mesmo: no facto de viverem numa posição exterior face aos outros suportes de comunicação. Acima de tudo, os blogues exprimem-se com uma voz pessoal, têm um ponto de vista. No seu imediatismo, na sua subjectividade, são um exercício cheio de potencial para estabelecer ligações e escrutiná-las num espaço público, imediato e, tantas vezes, contraditório.

Não devemos esperar que os blogues se tornem num espaço alternativo, em competição com a publicação escrita e, muito menos, com a crítica. Mal daqueles que abandonem a pesquisa de saber, nos jornais, nas revistas, nos livros, e julguem poder construir conhecimento nos posts de um blogue. Mas estes podem complementar a transmissão e reflexão de conteúdos, permitindo, quando sucedidos, criar uma cadeia de comunicação na sua pequena comunidade de ligações, aberta a todos. Deveríamos assim, bloggers e não bloggers, reconhecer os pontos fortes de uns e de outros, e contribuir para melhorar a rede de pensamento que a nova paisagem digital permite estabelecer.
* * *

No que ao meu blogue se refere o texto original do Pedro Machado Costa, não deixo de sentir alguma perplexidade por se fazer apontamento de um desabafo ocasional e pouco recorrente como exemplo dessa incapacidade de estabelecer um diálogo mais sério na blogosfera, neste caso em torno da arquitectura. A nossa blogosfera é rica de exemplos em que o desabafo constante serve de registo e imagem de marca a formas de expressão pessoal.
Tendo em conta o contexto da discussão, talvez importe observar que este blogue não é um espaço de crítica de arquitectura, antes um espaço de opinião e divulgação de conteúdos. Nos seus bons momentos, A Barriga de um Arquitecto serviu como reflexo das minhas aventuras pelo mundo online, motivado unicamente por encontrar bom material e partilhá-lo. De resto, serve para falar dos temas que me interessam e preocupam, seja o planeamento territorial, o urbanismo, a política de obras públicas, a gestão urbanística, as práticas de licenciamento, a cultura da imagem e, até, a crítica, entre tantas outras coisas. E, já agora, dos ecos de uma trienal.

Como blogger sei bem do que fala o Pedro quando se lamenta da falta de reciprocidade que encontra nas suas reflexões. Talvez tenha razão o autor do Ma-Shamba quando escreveu, em tempos, que um blogue é uma ilusão, a ilusão de ser lido. Ou talvez sejam temas que não motivam o interesse dos outros arquitectos bloggers, ou de quem escreve nas revistas da especialidade. E eu não tenho de me queixar, pois encontro igual interesse nas coisas que escrevem e, evidentemente, preferem.
Não é pelo facto de, tal como o Geof Manaugh, escrever um blogue, que tenho a ilusão de estar a fazer um BLDGBLOG. Como não é pelo facto de organizarmos conferências, convidarmos figuras de renome internacional, e falarmos ao seu lado, que estamos, de igual para igual, a fazer e a pensar sobre as mesmas coisas. Escrevo um blogue porque não sei passar sem ele. E que por isso me entrego à meritocracia subjectiva da blogosfera, perdendo-me, e por vezes encontrando-me, nessa implacável forma de selecção natural que é o mundo nebuloso da rede em que vivemos.

Sem comentários:

Publicar um comentário